Arquivo

Archive for the ‘O que a cultura nos diz’ Category

ENTENDENDO AS DIFERENÇAS CULTURAIS

As pessoas que interpretam a Bíblia sem levar em consideração o contexto de uma passagem e sem conhecer , ou considerar o período histórico do texto escrito, podem cometer um sério erro de interpretação e acabarem criando uma heresia.

Lembre-se que os reformadores ressaltaram e retornaram ao método de interpretação histórico-gramatical das Escrituras. Ou seja, devemos levar em conta o período histórico de quando a passagem foi escrita e levar em consideração as palavras e frases da passagem em seu sentido normal e claro (literal). Podemos adicionar a estes, outro aspecto igualmente importante: o retórico, ou seja, o estilo literário do livro ou passagem em questão.

Algumas perguntas nos ajudam a entender este passo tão importante na interpretação de um texto:

■ Quem escreveu o livro?

■ Em que época foi escrito?

■ A que problemas ou situações ele estava se referindo?

■ De que trata o livro?

■ Para quem foi escrito originalmente?

Nesta aula iremos aprender um pouco sobre o aspecto histórico da interpretação. Vamos examinar algumas passagens levando-se em conta a cultura do tempo histórico no qual a passagem foi escrita.

1  Como os costumes culturais influem na interpretação de certas passagens?

1.1  Política

Por que o rei Belsazar concedeu a Daniel a terceira posição no governo, e não a segunda (Dn. 5:7-16)?

Porque, como a história secular nos informa, o primeiro no comando era o rei Nabonido (filho de Nabucodonosor) que havia se ausentado do país por um longo período.

Por que Paulo mencionou a pátria celestial dos filipenses (Fp. 3:20)?

Filipos era uma colônia romana, porém os moradores desta cidade não tinham os mesmos direitos dos romanos.  Um dia o imperador Otávio Augusto concedeu a eles os mesmos direitos dos romanos. Então Paulo escreveu a eles sobre uma pátria ainda mais nobre para os cristãos, que era a pátria celestial. Isto teve um significado bastante especial para os cristãos daquela cidade, naquela época.

Por que Jonas não queria ir para Nínive?

Nínive era capital do Império Assírio. E a história nos dá conta de que os assírios eram extremamente cruéis com seus inimigos e prisioneiros de guerra, pois eram guerreiros e saiam a conquistar muitas terras. Em relatos encontrados na antiga biblioteca ninivita, em tabuinhas de barro, são mencionados a decapitação e empilhamento das cabeças dos povos conquistados. Eram também, postos em jaulas e tratados como animais. Não é, então, de se admirar que Jonas não quisesse pregar o arrependimento a eles, pois ele achava que os ninivitas mereciam o castigo divino.

Por que Boaz foi até a porta da cidade falar com os anciãos sobre o terreno de Noemi (Rt. 4:1)?

A porta da cidade era o lugar oficial para realização de negócios e julgamentos (Js. 20:4)

O que Jesus quis dizer quando declarou: “Se alguém quiser viu após mim, negue-se a si mesmo, tome sua cruz e siga-me” ?

Naquela época, o indivíduo que carregava sua própria cruz era considerado criminoso (como o próprio Jesus foi). Portanto, tomar a cruz, significa seguir Jesus até à morte. Ou seja, não significa ter de passar privações nem suportar pessoas ou circunstâncias desagradáveis.

1.2  Religião

Por que Moisés deu um mandamento tão estranho quanto este: “…não cozerás o cabrito no leite de sua própria mãe” (Ex. 23:19)?

Descobertas arqueológicas nos informam que os cananeus tinham este costume e Deus não queria que se povo tivesse o mesmo costume de povos pagãos. Outra coisa poderia ser a mistura de uma substância que dava vida (leite) associado ao processo de morte (cozimento).

Por que Deus enviou justamente aquelas dez pragas sobre o Egito?

Deus quis mostrar a total incapacidade dos deuses egípcios, quis mostrar que eram falsos deuses, e que estes não poderiam socorrer o povo de forma alguma. O quadro abaixo mostra a relação das pragas e deuses afetados.

*AS PRAGAS* *REFERÊNCIA* *DIVINDADE EGÍPCIA ANTIGA*
Águas se formaram em sangue Êxodo 7.14-25 Knum: guardião do Nilo; Haspi: espírito do Nilo; Osiris: O Nilo era seu sangue.
Rãs Êxodo 8.1-15 Hect: com aspecto de rã; deus da ressurreição
Piolho Êxodo 8.1-19 Seti, deus do deserto
Moscas Êxodo 9.20-32 Uatchit, possivelmente representado por uma mosca
Peste nos Animais Êxodo 9.1-7 Hator: deusa-mãe com forma de vaca; Apis: o touro do deus; Ptá: Símbolo da fertilidade; Mnevis: touro sagrado de Heliópolis
Úlceras Êxodo 9.8-12 Sekmet deusa que curava doenças
Chuva de Pedras Êxodo 9.13-25 Nut: deusa do céu; Ísis: deusa da vida; Set: protetor das colheitas
Gafanhotos Êxodo 10.1-20 Isis: deusa da vida; Set: protetor das colheitas
Trevas Êxodo 10.21-29 Rá, Aten, Atum, Horus: todos deuses do sol
Morte dos Primogênitos Êxodo 11.1-12,36 Osiris: A divindade de Faraó; o doador da vida

Por que Elias propôs que o Monte Carmelo fosse o local da disputa com os 450 profetas de baal?

Os seguidores de baal acreditavam que ele morava neste monte, desta forma, Elias deixou que os adversários “jogassem em casa”. Se baal não conseguisse fazer nenhum milagre em seu próprio território, estaria comprovada sua falsidade. Outro fato interessante é que baal era considerado deus das tempestades e do fogo. Como a pouco tempo havia tido uma seca de 3 anos e meio, ficou claro que baal não conseguiu reverter a situação. Elias então quis provar que baal também não era deus do fogo, pois o desafio era justamente fazer “chover” fogo do céu, o que baal mais uma vez não conseguiu.

Por que Paulo escreveu aos Colossenses que nele (Jesus) habita corporalmente toda a plenitude da Divindade (Cl. 2:9) ?

Havia em Colossos falsos mestres, pregando que Jesus era Deus apenas parcialmente. Então este escrito de Paulo estava refutando aquela heresia.

Por que Paulo levantou a questão da carna oferecida aos ídolos em 1 Coríntios 8 ?

Hoje em dia, quando vamos jantar em algum restaurante, ou na casa de algum amigo, não perguntamos se a carne foi oferecida a algum ídolo. Em Corinto, naquela época, era muito comum as pessoas comprarem carne e depois passar em algum dos muitos templos pagãos e oferecer parte da carne a algum ídolo, e depois levar o restante para o jantar. Então os cristãos por este fato, achavam que comer esta comida seriam participantes da adoração de ídolos pagãos.

Por que os herodianos, saduceus e um escriba fizeram aquelas perguntas a Jesus em Marcos 12:13-28 ?

As perguntas diziam respeito às suas respectivas ocupações e crenças. Os herodianos tinham o apoio de Herodes e dos romanos, por isso perguntaram sobre o pagamento de impostos a um governo estrangeiro. Os saduceus não acreditavam em ressurreição, por isso tentaram por Jesus à prova falando de uma hipotética mulher que teve sete maridos. Os escribas, por sua vez, se preocupavam muito com a lei de Deus, por isso o motivo do questionamento sobre o mandamento mais importante.

1.3  Economia

Por que Elifaz acusou Jó de exigir garantia de seus irmãos sem motivo, em Jó 22:6 ?

Na época do Antigo Testamento este era um crime desprezível. Se alguém devesse dinheiro a alguém e não pudesse pagar, o devedor dava sua capa ao credor como garantia. Porém, ao cair da noite, o credor deveria devolver a capa do devedor, pois pudesse ser que apascentaria ovelhas e precisaria da capa para se cobrir. Tomar garantia sem motivo era pecado. E Jó não era culpado desta atitude, como explicou mais tarde (Jó 31:19-22).

Por que o parente mais chegado de Elimeleque deu suas sandálias a Boáz (Rt. 4:8-17)?

Segundo escavações arqueológicas no atual Iraque  este ato era feito quando se concluía a venda de um terreno. Representava que direitos sobre aquela estava sendo passado ao novo dono.

1.4  Leis

Em 2 Reis 2:9, Eliseu pede porção dobrada do espírito sobre a vida dele. Será que ele estava pedindo mais poder espiritual do que tinha Elias?

De forma alguma. Na realidade Eliseu estava expressando o desejo de ser o sucessor de Elias. De acordo com Deuteronômio 21:17, o primogênito tinha o direito de receber em dobro sua parte na herança do pai, além do  mais o primogênito era o seu sucessor direto.

Em Colossenses 1:15, a expressão: “o primogênito de toda a criação”, significa que Cristo foi criado?

Não. Significa que Jesus é o Herdeiro de toda criação (Hb. 1:2). O primogênito tinha lugar e privilégios especiais na família. Equivale a dizer que o primogênito é o herdeiro principal.

1.5  Agricultura

O que há de tão estranho no fato de Samuel pedir chuva na época da colheita do trigo, em 1 Samuel 12:17?

A colheita do trigo acontecia em Maio ou Junho, pois estariam na época da estiagem, que começava em Abril e ia até Outubro. Se chovesse nesta época do ano lá em israel ficaria evidente a operação do Senhor.

Por que Salmos 1:4 compara o ímpio com a palha?

A palha é leve e não tem firmeza em nenhum lugar. Quando os fazendeiros tratavam do trigo, a palha era deixada de lado e o vento levava embora. Os ímpios, assim como a palha, não tem segurança e nem utilidade.

Por que o profeta Amós chamou as mulheres de Betel de “vacas de Basã”, em Amós 4:1 ?

Basã era uma terra fértil a nordeste do mar da galiléia, e as vacas desta região eram conhecidas por serem gordas. As mulheres de Betel, assim como aquelas vacas, eram conhecidas por apenas comerem e beberem, e pouco faziam além disso.

Qual o motivo do Senhor ter perguntado a Jó sobre o parto das cabras monteses, em Jó 39:1?

Estes animais se escondem nas montanhas quando estão na época de parir. Estudiosos, em 30 anos, viram estes animais copularem e parirem somente 4 vezes. Deus, então, estava demonstrando a Jó sua ignorância em relação aos acontecimentos na natureza.

Por que Jesus, em Lucas 13:32, chamou Herodes de raposa?

A raposa, naqueles dias, era tida como um animal traiçoeiro. Assim, Jesus estava insinuando que Herodes era conhecido por sua traição.

Por que Jesus condenou a figueira que não tinha frutos, se nem era época de figos ainda(Mc. 11:12-14)?

As figueiras, em Israel, costumam apresentar pequenos “botões” em Março, e grandes folhas verdes em Abril. Jesus “amaldiçoou” a figueira na época da páscoa, ou seja,  Abril. Como a planta não apresentava botões, não daria frutos naquele ano. A maldição que Jesus lançou sobre a figueira representava a falta de vitalidade espiritual em Israel (falta dos botões), mesmo tendo aparente religiosidade (folhas verdes).

1.6  Arquitetura

Como Raabe podia ter uma casa um cima de uma muralha (Js. 2:15)?

As muralhas de Jericó eram duplas e preenchidas com terra no meio, de forma que se podiam construir casas ali e estarem quase ao nível do topo.

Como foi possível que quatro homens descessem um paralítico pelo telhado (Mc. 2:1-12)?

As casas, no tempo bíblico, não tinham a laje de concreto que hoje temos em nossas casas. Então foi apenas subir no telhado e tirar algumas telhas.

1.7  Vida doméstica

Qual é o significado da expressão: “Efraim […] é um pão que não foi virado” (Oséias 7:8)?

Às vezes um pão assa mais de um lado que de outro se não for virado. Isto quer dizer que carecia de equilíbrio, pois dava atenção a algumas coisas e outras não.

Não foi falta de educação João encostar-se em Jesus na última ceia (Jo. 13:23)?

Não, pois como eles se sentavam em sofás, não em cadeiras, não era considerado falta de educação uma pessoa encostar-se na outra.

Por que, em Lucas 9:59, o homem disse que queria enterrar o pai antes de seguir Jesus?

Ele não quis dizer que o pai acabara de falecer, mas que se sentia obrigado a esperar até que o pai falecesse, mesmo que demorasse vários anos, provavelmente para receber a herança. Por isso sua relutância em seguir a Jesus.

Por que as cinco virgens foram tolas por não terem levado azeite reserva (Mt. 25:1-13)?

O motivo é que uma cerimônia de casamento podia durar até 3 horas, e desta forma, o azeite das lamparinas poderia acabar. As cinco virgens prudentes levaram, além da lamparina, azeita extra na vasilha, mostrando que estavam preparadas.

1.8  Geografia

Por que na carta à igreja de Laodicéia, dizia que os membros eram mornos, nem quentes, nem frios (Ap. 3:16) ?

Esta afirmação reflete o fato de que a espiritualidade daquela igreja estava igual à água que vinha pelos dutos até àquela cidade. Eram quase 10 Km de dutos da cidade de Hierápolis até Laodicéia. Ela saía quente de lá, e quando chegava a Laodicéia já estava morna.

1.9  Estrutura social

Por que nos tempos bíblicos as pessoas jogavam pó sobre a cabeça (Jó 2:12, Ez. 27:30)?

Faziam isso para demonstrar o pesar que sentiam, era como se estivessem numa sepultura, debaixo da terra.

Por que Jesus disse para os discípulos não cumprimentarem ninguém pelo caminho (Lc. 10:4)?

Jesus não estava incentivando nenhuma atitude anti-social, apenas não queria que se atrasassem para sua missão. Acontece que as saudações consumiam muito tempo: cada um se curvava várias vezes, repetia o cumprimento e se comentavam os acontecimentos do dia.

2  Até que ponto os textos bíblicos são limitados por fatores culturais?

Tudo que está escrito na Bíblia serve para hoje? Ou certas passagens bíblicas se limitam ao contexto cultural e histórico no qual foram escritas? Até que ponto a Bíblia é limitada pelo aspecto cultural?

Agora, se existem passagens com esta limitação, como descobrir quais que realmente se aplicam aos nossos dias?

Alguns argumentam, por exemplo, que o mandamento de Efésios 6:5 não se aplica mais aos dias de hoje, visto não haverem mais escravos. Porém, esta interpretação não leva em conta que, apesar de não termos mais escravos , o mesmo principio pode ser aplicado na relação empregador-empregado.

Claro que nem todos os costumes bíblicos têm aplicação hoje em dia. Se tivessem, quando comprássemos uma casa o antigo dono deveria nos dar sua sandália, como vimos em Rute 4:8.

A questão da cultura é muito importante para as duas funções do intérprete da Bíblia: descobrir o significado do texto para os primeiros leitores, dentro daquele contexto cultural, e verificar seu significado para nós hoje, em nosso contexto cultural.

Ilustramos alguns princípios que podem nos ajudar a definir quais hábitos ou costumes culturais bíblicos podem ser aplicados à nossa realidade hoje.

2.1 Certos princípios ou mandamentos são contínuos ou irrevogáveis, e tratam de temas morais e/ou teológicos, são repetidos em outras partes da Bíblia, sendo, portanto, aplicáveis a nós hoje.

Precisamos perguntar se a Bíblia dá ao mandamento um caráter normativo.

O mandamento de Provérbios 3:5-6, sobre confiar no Senhor é repetido em toda a Bíblia, às vezes com outras palavras. O mandamento sobre os cristãos se equiparem com a armadura de Deus em Efésios 6:10-19, não foi de modo algum, abolido. Deus também não voltou atrás, quando em 1 Pedro 5:6, tratou sobre a humildade. O mandamento sobre os homens orarem com corações puros é universal, como se vê pela expressão “em todo lugar”, em 1 Timóteo 2:8.

Quando a Bíblia dá uma ordem explícita e não a anula depois, devemos entender como sendo a vontade expressa de Deus para nossas vidas, em nosso tempo também, independente da cultura.

2.2 Certos princípios ou mandamentos dizem respeito às circunstâncias específicas de um indivíduo, não sendo temas que possuem caráter moral ou teológico, não são aplicáveis aos nossos dias.

As instruções que Paulo dera a Timóteo, em 2 Timóteo 4:11-13, se limitava àquele momento específico.

Não existe nenhum mandamento para que os pais cristãos sacrifiquem seus filhos, como foi ordenado a Abraão fazer (Gn. 22:1-19). Da mesmo forma, isto foi naquele momento específico, para Abraão.

Hebreus 7:12 e 10:1 nos dizem que o sacerdócio segunda a ordem de Arão e até mesmo a lei de Moisés foram abolidos.

No Antigo Testamento a punição para o incesto era o apedrejamento (Lv. 20:11), mas no Novo Testamento o caso era resolvido por meio do desligamento da Igreja (1 Co. 5:1-5).

2.3 Certos princípios ou mandamentos dizem respeito a contextos culturais que se parecem com os nossos nos quais apenas o princípio deve ser aplicado.

O Novo Testamento cita cinco vezes a saudação com beijo (Rm 16:16; 1 Co. 16:20; 2 Co. 13:12; 1 Ts. 5:26; 1 Pe. 5:14). Este era a forma comum de saudação naquela época, porém podemos manter o princípio de saudação em nossa própria cultura, um aperto de mão ou abraço.

Vejamos Deuteronômio 6:4-9. O princípio aqui é o de falarmos aos nossos filhos da Palavra de Deus, sem a necessidade de andarmos com penduricalhos na face e nas mãos.

Embora a carne que compramos hoje não seja dedicada aos ídolos, o princípio aqui é de não escandalizar os irmãos mais fracos em nada.

2.4 Certos princípios ou mandamentos dizem respeito a contextos culturais totalmente diferentes, mas cujos princípios se aplicam.

Certa pecadora demonstrou seu amor por Jesus derramando em seus pés um perfume muito caro (Mt. 26:7-8). É claro que hoje não podemos mais fazer isso, porém, o princípio de amar Jesus deixando de lado nossos próprios valores, permanece.

Quando Moisés esteve na presença de Deus, ele tirou seus sapatos, pois era terra santa. Será que devemos hoje em dia tirar nossos sapatos ao vir para o templo? Aqui, o princípio de reverência e temor a Deus devem ainda nos dirigir.

3  Princípios para descobrir se os costumes bíblicos estão restritos a certas culturas

As etapas abaixo vão nos ajudar a entender um pouco melhor a questão dos costumes culturais e se devemos aplicá-los hoje, ou não.

Primeira: procure saber se o costume daquele época tem significado diferente em nossa cultura. Parece ser este o caso do xale na igreja e do beijo santo. Hoje em dia, o uso do xale e do beijo têm significados diferentes dos originais dos tempos bíblicos. É nesta etapa que devemos analisar se o costume foge totalmente à nossa cultura. O lava-pés, para alguns, é um exemplo disso.

Segunda: se o costume tem significado diferente para nós, descubra o princípio permanente ao qual ele faz menção.

Terceira: verifique se o princípio pode ser expressado num equivalente cultural. Por exemplo 1 Timóteo 2: 1-2. Será que os cristãos que vivem em países que não tem reis, mas primeiros ministros e presidentes, não devem seguir este mandamento? Será que Tiago, em sua carta (Tg. 2:1-4), quis dizer que os ricos deveriam sentar-se ao chão, para que os pobres se acomodassem nos bancos? Não é esta a exigência para hoje, pois se trata de um contexto cultural diferente. Porém, o princípio da humildade continua valendo, e nós não devemos fazer nenhum tipo de distinção entre nós.

Chegamos à conclusão de que o estudo cuidadoso das Escrituras e o discernimento espiritual são elementos importantes para avaliarmos a questão cultural entre a Bíblia e nosso mundo de hoje.

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: